Lectio Divina
Liturgia Dominical
Domingo de Ramos | A
Arquidiocese

Semana das Vocações 2017. Material já disponível (+info)

Desejo subscrever a newsletter de Departamento para Ministros Extraordinários da Comunhão e Ministérios Litúrgicos
Departamento para Ministros Extraordinários da Comunhão e Ministérios Litúrgicos | 7 Jul 2016
Lectio Divina Julho
O bom ladrão
PARTILHAR IMPRIMIR
 

VII. Que atitudes fazem transparecer o Deus da misericórdia?

 

Lc 23, 32-47 (o bom ladrão)

 

32E levavam também dois malfeitores, para serem executados com ELe. 33Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, crucificaram-no a Ele e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. 34Jesus dizia: “Perdoa-lhes, Pai, porque não sabem o que fazem”.

Depois, deitaram sortes para dividirem entre si as suas vestes. 35O povo permanecia ali, a observer; e os chefes zombavam, dizendo: “Salvou os outros; salve-se a si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito”. 36Os soldados também troçavam dele. Aproximando-se para lhe oferecerem vinagre, 37diziam: “Se és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo!” 38E por cima dele havia uma inscrição: “Este é o rei dos judeus”.

39Ora, um dos malfeitores que tinham sido crucificados, insultava-o, dizendo: “Não és tu o Messias? Salva-te a ti mesmo e a nós também”.

40Mas o outro, tomando a palavra, repreendeu-o: “Nem sequer temes a Deus, tu que sofres o mesmo suplício?41Quanto a nós, fez-se justiça, pois recebemos o castigo que as nossas ações mereciam; mas Ele nada praticou de condenável”. 42E acrescentou: “Jesus, lembra-te de mim, quando estiveres no teu Reino”.

43Ele respondeu-lhe: “Em verdade te digo: hoje estarás comigo no paraíso”.

44Por volta do meio-dia, as trevas cobriram toda a região até às três horas da tarde. 45O sol tinha-se eclipsado e o véu do templo rasgou-se ao meio.

46Dando um forte grito, Jesus exclamou: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Dito isto, expirou.

47Ao ver o que se passava, o centurião deu glória a Deus, dizendo: “Verdadeiramente, este homem era justo!”

 

 

Introdução

Antes de nos aproximarmos do texto, vamos preparar o nosso interior para o acolher como Palavra de Deus. Colocamo-nos em silêncio, durante uns momentos, diante do mistério da Cruz. Concluímos com uma breve oração, pedindo a Deus que nos abra o coração para entender a sua palavra.

 

1. Leitura atenta do texto (lectio)

Neste primeiro momento, a atenção fixa-se no texto, com o desejo de descobrir qual era a mensagem que, por ele, o autor quis transmitir aos seus destinatários.

a) Leitura. Proclama-se o texto escolhido, em voz alta, e todos escutam atentamente.

b) Silêncio. Cada um lê novamente a passagem, ajudado pelas notas da Bíblia. Depois, refletem sobre as seguintes questões:

. Presta atenção aos dois malfeitores crucificados. Que atitudes refletem as palavras que dirigem a Jesus?

. Que sentimentos manifesta a resposta de Jesus ao bom ladrão?

. Se observares na tua Bíblia os lugares paralelos, dar-te-ás conta de que, nesta passagem, há muitas referências ao Antigo Testamento. Que quererá Lucas dizer-nos com isso?

c) Partilha. Os participantes partilham a descoberta feita na leitura do texto e das notas, e também o que não entenderam ou os surpreendeu.

 

2. Deixamo-nos interpelar pelo texto (meditatio)

Neste segundo momento, a atenção centra-se na descoberta da mensagem do texto na nossa situação pessoal, comunitária, social.

a) Leitura. Lê-se, de novo, o texto, em voz alta, enquanto todos escutam silenciosamente.

b) Silêncio. Cada um lê o texto em silêncio, perguntando-se:

. Depois do que lemos, e olhando para o bom ladrão, o que é ser humilde?

. Que atitudes poderemos assumir para crescer na humildade?

c) Partilhar. Os participantes partilham o que descobriram no momento de silêncio, tanto a nível pessoal como comunitário.

 

3. A palavra exige uma resposta (oratio-actio)

Neste terceiro momento, respondemos à Palavra de Deus. Podemos fazê-lo através de uma oração, de um compromisso pessoal ou de ambas as coisas.

a) Leitura. Lê-se, de novo, o texto, em voz alta, e todos escutam com atenção.

b) Silêncio. Cada um reza pessoalmente, exprimindo o que esta passagem da Escritura lhes faz dizer a Deus, procurando ver como por em prática o convite de Deus.

c) Partilhar. Cada um pode fazer uma breve oração que seja reflexo do que fez no tempo de silêncio, ou partilhar com os outros um compromisso pessoal ou comunitário a que chegou.

 

Conclusão

O encontro termina com uma oração comum ou um cântico apropriado. Pode rezar-se o Salmo 23 que proclama a delicadeza com que Deus é pastor das nossas vidas. Com esta oração, pedimos a Deus força para levar a bom termo o compromisso que escolhemos.

 

Post Scriptum: esta proposta de Lectio Divina é para Julho ou Setembro, conforme o ritmo das comunidades.

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
MEC e Ministérios Litúrgicos
Contactos
Morada

Rua S. Domingos, 94 B
4710-435 BRAGA

TEL

253 203 180

FAX

253 203 190

Coordenador

Cón. Manuel Joaquim Fernandes da Costa

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui