Horário do Cartório

Segunda das 10h às 12h;

Sexta das 16h às 17.45h.
 

Boletim Paroquial
Boletim 369 - II Domingo da Quaresma - Ano A - 08-03-2020
Crónica para o XXIII Domingo do Tempo Comum - Ano A - 6 de Setembro de 2020

Ligação



XXIII Domingo do Tempo Comum

Ano A

«Se o teu irmão te ofender, vai ter com ele e repreende-o a sós.» 

Viver na ofensa! Sustentar a maldade! Alimentar a raiva! Calar perante a injustiça!
Sentir indiferença total pelo erro de outro ser humano! Tornar ainda mais pesada a vida de quem sofre!
É o dia-a-dia de quem não tem coragem para permanecer no caminho da Cruz.
Todo aquele que aceita o mal, que não consegue retificar a decisão do outro, não é Cristão.
Todo aquele que não é capaz de construir uma reconciliação, não sabe amar e é um triste Baptizado!

A nossa missão nesta terra, neste tempo confuso e sem amor,
é alertar cada ser humano sobre o perigo das suas más decisões.
Somos sentinelas! Salvamos vidas, não as condenamos…
Ao ouvimos a voz de Deus, colocamo-La em prática e não endurecemos o nosso coração.
Porque sabemos que, mesmo quando provocamos o Senhor que nos dá a vida,
ELE, que é o criador do Universo, é Misericordioso com cada um de nós.
Então, quem és tu e quem sou eu, para não aceitarmos, com toda a caridade que nos habita no peito,   os erros dos outros, aqueles que somos chamados a amar, como nos amamos a nós próprios?

Hoje, a liturgia do 23º domingo do Tempo Comum, do ano A, reconcilia-nos com o nosso próprio coração.
Só nos podemos sentir amados se aprendermos a amar, independente,
esta condição inata de Cireneu na vida de todos (sem distinção)!
Ficar indiferente perante as asneiras que os outros fazem, é reconhecer que também nós só fazemos disparates.
Por isso, O Mestre quando nos fala sobre os motores humanos diz-nos:
«Se te escutar, terás ganho o teu irmão.»
Salvar aquele que está perdido e não sabe é tarefa para quem sabe o Batismo.

Escuta! Oh, Sentinela deste tempo mal-amado…
De que te adianta apontar o dedo aos erros e acusar, ferozmente, quem faz o mal?
Deves fazê-lo, apenas em última instância.
Quando já olhaste nos olhos de quem erra e disseste, assertivamente: “ Estás a errar!
Quando já alertaste mais de mil vezes que a atitude é incorreta!
Quando o erro é sempre o mesmo e já esgotaste todos os recursos para que te ouça!
Quando já não consegues ligar o teu coração ao peito de quem, continuamente, mata o Amor e o Bem!

Lembra-te que quando erras e te repreendem, queres primeiro preparar a defesa pelo teu ato.
Então, faz o mesmo com o teu irmão e com a tua irmã.
Mas, fá-lo com AMOR, com Caridade!
Da mesma forma com que queres que o teu irmão, a tua irmã, faça contigo…

Mesmo assim, se não resultar…
junta-te a dois ou três Baptizados, como eu e tu, e reza… porque Jesus dá a dica:
«Se dois de vós se unirem na terra para pedirem qualquer coisa,
ser-lhes-á concedida por meu Pai que está nos Céus. »

Sentirás que o Mestre está no meio de “nós”,
a reconciliação acontecerá
e tu terás salvo a tua alma!

Arquidiocese

Uma Igreja Sinodal e Samaritana

Programa Pastoral 2020/2023

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Paróquia Nossa Senhora da Lapa
Liliana Dinis | Póvoa de Varzim| 31 Jul 2020
XVIII Domingo do Tempo Comum - Ano A - 2 de Agosto de 2020
Vamos sentar-nos juntos…
PARTILHAR IMPRIMIR
 



XVIII domingo do Tempo Comum 

Ano A
«…deixando as suas cidades, seguiram-n’O por terra.»


Para alguns de nós é urgente mudar de ar…
Para outros seria iminente encontrar o pouso certo!
Diariamente, apercebemo-nos que o tempo foge, como o mar escapa pelos grãos de areia.
Estamos cansados e sentimo-nos oprimidos… Desiludidos!
Mas, há algo que nos une:
A busca incessante pela felicidade, que ainda não descobrimos nem definimos, apenas queremos muito encontrar, possuir, ser…
O dinheiro comanda a vida! Não podemos negar… e assim o julgamos nós!
Trabalhamos para que não falte o pão, mas gastamos o que adquirimos em tantas coisas que não saciam a nossa fome.
Numa felicidade que em segundos termina e nos deixa o estômago a roncar…
Viramos então a cabeça para o alto, perdidos e até chateados, porque a tristeza voltou ao nosso coração.
É aí que o estalar de dedos nos desperta.
Deus, que possui a generosidade na palma das mãos, vem em nosso auxílio com o único alimento, totalmente gratuito e capaz de saciar a nossa fome: O AMOR!
Aquele forte fruto que nasce da árvore do Cristo e termina com “a tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo e a espada.”
Quem ama ficará, eternamente, saciado!
Hoje, o 18º domingo do Tempo Comum pinta-nos um cenário deserto e afastado, onde o Messias, triste com a morte de Seu primo João, se enche de compaixão, cura os doentes e termina com a (nossa) fome.
No deserto do nosso viver atarefado ou melancólico, a fome traz-nos à lembrança o sabor do pãozinho fresco pela manhã, que queremos só para nós…
Agimos como os discípulos de Jesus e mandamos embora aqueles que precisam Dele e O seguem!
A ordem do Mestre: «… dai-lhes vós de comer.» é um eco que estremece o nosso peito!
É a força da Boa Nova que brota da terra e, como trigo que nasce, traz alento e alegria!
Então, entendemos que sem a partilha deste Pão, que é Jesus na Sagrada Eucaristia, a felicidade não nos invade o corpo, nem a mente, muito menos o coração!
Alguém tem algo para comer hoje?
Vamos sentar-nos juntos…
Ao pé do mar, no cume da montanha, no campo mais puro, na planície dourada…
Com o amigo que sofre com uma doença, com a vizinha que perdeu um ente querido…
No banco da igreja em oração…
No sofá da sala com a avó, no jardim com o primo mais novo, à mesa com os filhos…
Vamos partilhar este Amor que vem de Deus, que nos sacia a fome de tudo e de todos…
que nos faz Amar e sentirmo-nos amados…
Não será assim a Felicidade plena? 

PARTILHAR IMPRIMIR
Paróquia de Nossa Senhora da Lapa
Casa Paroquial
Morada

Rua padre Manuel Marques Silva, s/n
4490-582 Póvoa de Varzim

TEL

252624200

FAX

252620975

Cartório Paroquial

Cartório Paroquial - Horários

Segunda das 10h às 12h;

Sexta das 16h às 17.45h.

Confissões

Confissões

Visitas aos Doentes

Visitas aos Doentes 

 

Párocos