Horário do Cartório

Segunda das 10h às 12h;

Sexta das 16h às 17.45h.
 

Boletim Paroquial
Boletim 352 - XXXII Domingo do Tempo Comum - Ano C - 10-11-2019
Crónica para XXXII Domingo do Tempo Comum - Ano C - 10 de Novembro de 2019

Baixe aqui

 

XXXII Domingo do Tempo Comum - Ano C

«Naquele tempo, aproximaram-se de Jesus alguns saduceus – que negam a ressurreição…»

Mal… O Mal só vence se o alimentarmos!
Maldade… Praticar a Maldade é como abandonar tudo o que é Vida e Bom!
Maldoso… Ser Maldoso é como usufruir de um poder que não te leva a lugar algum!
Quando o tema é tão duro como a Maldade, o melhor é respirar fundo, pensar bem em tudo o que fazemos,
(a cada segundo que passa) calar profundamente e verificar se já alimentamos esse Mal algum dia…
Até, porque ser Maldoso não é assim tão difícil, pois não? Basta rir de quem tropeça na rua!

Cada homem e cada mulher nasce livre, mas tem que aprender a moldar o seu dia-a-dia à sociedade,
para que deixe de ser selvagem, para que desperte o seu interior para o bem-comum, para a Paz!
Há milhares de anos que a humanidade ergue bandeiras com sangue inocente, com escravidão,
com loucuras que um e outro aceitam de ânimo leve e em silêncio:
«Naqueles dias, foram presos sete irmãos, juntamente com a mãe, e o rei da Síria quis obrigá-los,
à força de golpes de azorrague e de nervos de boi, a comer carne de porco proibida pela Lei judaica.»

Se a liberdade fosse respeitada por todos os seres humanos, não existiria explicação para uma prece tão dolorosa:
«Protegei-me à sombra das vossas asas, longe dos ímpios que me fazem violência.
Senhor, mereça eu contemplar a vossa face e ao despertar saciar-me com a vossa imagem.»

A Oração seria sempre contemplativa, em acção de graças pelas maravilhas que Deus nos dá, e não pediríamos:
«Orai também, para que sejamos livres dos homens perversos e maus, pois nem todos têm fé.»
A vitória de Jesus sobre a Morte, sobre a Maldade,
seria realidade e a Terra que habitamos seria o mundo que Deus criou!
Seríamos livres, se eu e tu amássemos o outro como ele é, e pelo que é:
Criatura do Senhor da Vida, Filho de Deus Pai!

Hoje, a liturgia do 32º domingo do Tempo Comum, do Ano C, relata-nos um episódio da vida de Jesus,
onde um grupo de Saduceus apresenta um “problema matemático” com um enunciado verbal enorme,
sem qualquer nota escrita, cheio de requintes de Malvadez e com a pergunta final:
«De qual destes será ela esposa na ressurreição, uma vez que os sete a tiveram por mulher?»
Jesus, com a Sua bondade no expoente máximo, responde saborosamente:
«…aqueles que forem dignos de tomar parte na vida futura e na ressurreição dos mortos,
nem se casam nem se dão em casamento.»

Quando o Amor é tratado sem Amor…
Quando se fala dos relacionamentos humanos,
como se estivéssemos a discutir a melhor fórmula
para se branquear a toalha de mesa que tem uma nódoa de vinho tinto, é ser Maldoso!
Permitir que se mate a liberdade, a opção de escolha de qualquer Ser Humano,
e utilizar a lei como justificação, é praticar a Maldade!
Ficar em silêncio, quando se escuta tantos gritos de dor, é dar de beber ao Mal… à Morte!!!

Se tu e eu vivêssemos a Vida plenamente a lei seria demolida, porque existiria apenas o BEM!
Se eu e TU amássemos a Vida, eu queria apenas o teu sorriso e tu querias a minha felicidade!
Se fossemos UM com o Senhor Deus da Vida, a Fé seria rainha e a Ressurreição a única recompensa ambicionada!
Mas… Ainda temos dúvidas sobre o Amor e a Vida… sobre a Liberdade humana!
Aqui nasce o desafio ao jeito da retórica:
Quando te obrigam a algo, sem que haja motivo aparente nem explicação para tal decisão, acatas a ordem?”
“Então, será que não o fazes aos outros?”
O nosso Baptismo é muito maior do que qualquer lei…
Somos profetas, reis e sacerdotes da VIDA! Não somos Maldosos, limpamos o Mal e vencemos a Maldade…
Agora… Vai e Sê Esperança! És Livre e…
É tua, a Missão de falar do nosso Pai aos outros, com a alegria de que:
«Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos».

Arquidiocese

Materiais e subsídios
Semana dos Seminários

[+info]

Desejo subscrever a newsletter da Paróquia Nossa Senhora da Lapa
Duarte Nuno Matos da Rocha | 20 Abr 2016
Párocos Anteriores
Os Párocos que pastorearam na nossa Paróquia.
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Padre Manuel Marques Dias da Silva

O Padre Manuel Marques Dias da Silva (o Senhor Padre Manuel da Lapa, como era popularmente conhecido), nasceu em Santa Cristina de Longos - Guimarães, a 9 de Fevereiro de 1908 e faleceu na Póvoa de Varzim no dia 21 de novembro de 1963. Frequentou o Seminário de Braga, onde se ordenou sacerdote no ano de 1932. Depois, foi sucessivamente coadjutor da Matriz da Póvoa de Varzim - Párocos António José Silva Gonçalves (1932-1935) e José António Afonso Vieira (1936-1942),Vigário Cooperador da Paróquia de S. José de Ribamar – Abade Manuel da Costa Gomes (1935-1946) - e finalmente em 1949, é nomeado o primeiro Reitor da Freguesia de Nossa Senhora da Lapa, múnus paroquial que exerceu até ao fim da sua vida. Desenvolveu fecunda atividade pastoral na sua paróquia, nela iniciando, a 1 de Junho de 1960, a publicação “O Nosso Farol - Boletim Paroquial de Nossa Senhora da Lapa”, anos mais tarde continuando com o nome “O Farol Dominical - Boletim Quinzenal da Comunidade da Lapa”.

 

 

 

 

Padre João Francisco Marques

João Francisco Marques viveu na Póvoa de Varzim, onde nasceu a 9 de Janeiro de 1929. Frequentou o curso dos Seminários Arquidiocesanos de Braga, entre 1940 e 1952 e o 3º ciclo dos liceus, obtido em 1961 no Liceu Normal D. João III, em Coimbra. Aí licenciou-se em História, em Julho de 1970, tendo apresentado a dissertação "A Parenética Portuguesa e a Dominação Filipina". Este estudo pioneiro, revelador da interferência da pregação portuguesa de matriz patriótica no período filipino, iniciou a sua especialização em história religiosa/social e a parenética portuguesa, temas sobre os quais publicou abundantemente.

Entre 1976 e 1985 exerceu o cargo de Director do Museu Municipal de Etnografia e História da Póvoa de Varzim, ficando o atual edifício a dever-se á sua iniciativa. Foi Presidente do Centro de Estudos Regianos de Vila do Conde e assessor do realizador Manuel de Oliveira no domínio da sua especialidade (História).

Biografia:

Outubro de 1952: ao serviço do Seminário; 

8/9/53: Vigário Cooperador da Lapa; 

Professor de Religião e Moral na Escola Técnica da Póvoa de Varzim; 

Licenciou-se na Faculdade de Letras do Porto.

 

 

Padre Joaquim Correia de Castro Lazera

Nasceu a 16 de Junho de 1916, na Póvoa de Varzim e foi batizado na Igreja Matriz da nossa cidade, frequentou o Seminário de Nossa Senhora da Conceição, de Braga. Celebrou a sua Primeira Missa na nossa Igreja “por instâncias da Real Irmandade, uma vez que se encontrava de luto pelo falecimento de seu pai, em 25 de Dezembro de 1939”.

Não foi Pároco na nossa Paróquia mas foi auxiliar durante muitos anos, tendo merecido honras de grande homenagem pelas suas bodas de ouro sacerdotais (1939-1989). Foi sempre muito estimado e respeitado.

Faleceu a 22 de Setembro de 2015 com 89 anos.

Biografia

04/01/1940 - Vigário Cooperador de Joane;

30/09/1940 - Pároco de Moimenta e Balança, Terras de Bouro;

13/08/1945 - Vigário Cooperador de Vila de Fafe;

30/06/1946 - Pároco de Seramil e Paredes Secas;

30/06/1948 - Pároco de Oriz Sta. Marinha, Vila Verde;

25/09/1986 - Dispensado da paroquialidade, por motivo de saúde;

 

Padre Fernando Telmo Almeida

Nascimento: 26 de abril de 1937

Ordenação Presbiteral: 30 de setembro de 1962

Falecimento: 2 de Junho de 2014

Serviço Pastoral

1/10/62: Vigário Cooperador da Lapa, Póvoa de Varzim;

30/6/64: Pároco da Lapa;

Em 1983 fundou o Grupo Esperança Jovem da Lapa;

2/11/2003: Capelão da Santa Casa da Misericórdia de Póvoa de Varzim;

18/7/2004: Dispensado da paroquialidade da Lapa e continuando como Capelão da Santa Casa da Misericórdia de Póvoa de Varzim.

Diretor Espiritual dos Cursos de Cristandade desde 1967 e colaborou em Cursos e Páscoas Jovens com o Dr. Costa Pinto.

25.12.2005 - Capelão das Irmãs de Santa Doroteia do Instituto de S. José, Vila do Conde;

08.01.2007 - Diretor Interno do Centro Social João Paulo II;

11.03.2007 - Capelão da Santa casa da Misericórdia da Póvoa de Varzim, dando continuidade ao serviço pastoral no Lar da Santa Casa e assumindo a Reitoria da Igreja da Misericórdia.

Monsenhor Manuel Ferreira Araújo

Data nascimento: 1942-11-02

Data ordenação: 1967-08-15

15/09/1967 - Nomeado Vigário Cooperador e Capelão da Misericórdia de Vila do Conde.

18/09/1978 - Começou a frequentar a Faculdade de Teologia de Lisboa, licenciando-se e, 23/07/1983.

29/10/1981 a 21/12/1988 - nomeado Diretor do Serviço Nacional do Diaconado Permanente.

03/10/1985 - Nomeado Vigário Episcopal Adjunto do Apostolado dos Leigos e Delegado Episcopal do Diaconado Permanente em Braga.

11/09/1986 - Nomeado responsável pelo Departamento para as Escolas de Ensino Primário do Secretariado Arquidiocesano da Educação Cristã.

08/01/1987 - Nomeado Secretário do Departamento supra referido.

De Novembro/ 1982 a 21/12/1988 - nomeado Secretário da Comissão Episcopal do Clero, Seminário e Vocações.

Nomeado Vigário Episcopal do Apostolado dos Leigos.

27/11/1989 - Renomeado Vigário Episcopal do Apostolado dos Leigos.

Deixou estes cargos.

08/09/1993 - Nomeado pároco de Santa Maria Maior, Matriz de Barcelos, a que está anexo o título de Dom Prior da Colegiada.

25/11/1993 - Nomeado Arcipreste de Barcelos.

22/10/1998 - Nomeado Monsenhor (Prelado de Honra).

17/12/1998 - Nomeado Arcipreste de Barcelos por cinco anos.

18/07/2004 - Nomeado pároco de Nossa Senhora da Lapa, Vila do Conde/ Póvoa de Varzim e dispensado da paroquialidade anterior.

16/07/2006 - Dispensado a seu pedido e por motivos de saúde da paroquialidade de Nª Srª da Lapa, V. C. /P. Varzim, ficando em Ano Sabático e a colaborar pastoralmente nas paróquias de N. Sr. dos Navegantes das Caxinas e S. João Baptista de Vila do Conde, V.C./P. Varzim;

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Paróquia de Nossa Senhora da Lapa
Casa Paroquial
Morada

Rua padre Manuel Marques Silva, s/n
4490-582 Póvoa de Varzim

TEL

252624200

FAX

252620975

Cartório Paroquial

Cartório Paroquial - Horários

Segunda das 10h às 12h;

Sexta das 16h às 17.45h.

Confissões

Confissões

Visitas aos Doentes

Visitas aos Doentes 

 

Párocos