Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 20 Mai 2022
A pandemia, a fé cristã e os perigos das crianças que vivem no mundo digital
A urgência de um documento esquecido da Pontifícia Academia para a Vida sobre o impacto da pandemia de COVID-19 “na vida das crianças e adolescentes”
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

A pandemia de coronavírus interrompeu praticamente todos os aspectos da vida em todo o mundo.

O dano da infecção foi agravado pelo medo, insegurança e uma sensação avassaladora de vulnerabilidade para todos. A nova ciência da epigenética mostra que os nossos genes são afectados não apenas pelo vírus em constante mutação, mas também por traumas psicológicos, culturais e espirituais.

Para crianças e jovens, a perda de rituais familiares, culturais e religiosos – essenciais para o desenvolvimento de segurança e identidade – é profunda.

A pediatria e a psiquiatria infantil estão a sinalizar efeitos na aprendizagem, comportamentos adaptativos e na saúde física e mental dos cérebros em desenvolvimento. Não conheceremos todos os efeitos do isolamento social sobre os jovens nos próximos anos.

A Pontifícia Academia para a Vida emitiu um documento esquecido em Dezembro de 2021 sobre o impacto da pandemia de COVID-19 “na vida de crianças e adolescentes”, chamando-a de “uma pandemia paralela”.

Identificou as seguintes quatro áreas que precisam de atenção especial: encerramento de escolas e aumento do vício em internet; necessidades dos pais stressados; ​​a educação dos jovens para a fraternidade e cidadania global; desafios para transmitir a fé em tempos de crise e suspensão dos habituais apoios espirituais.

Investigações empíricas sobre as consequências da pandemia para a saúde física e mental validam essas preocupações.

 

Encerramento de escolas e dependência da internet

A escola é um elemento importante no desenvolvimento infantil tanto para a socialização, quanto para a aprendizagem. Na pandemia a escola foi substituída pela aprendizagem online. Investigações desde os Estados Unidos à Holanda mostraram que as crianças aprendem muito menos online, mesmo com o mesmo currículo.

Estudos de neuroimagem mostram como os cérebros de crianças muito pequenas, que recebem brinquedos computorizados, estão a mudar. Há também efeitos significativos no desenvolvimento neural do adolescente.

Isto é importante porque, desde o final da década de 1970, o tempo dos adolescentes em smartphones e videojogos interactivos dominou os ritmos e rituais da sua vida quotidiana.

O New York Times recentemente concentrou-se na deterioração da saúde mental dos adolescentes nos EUA desde 2009. Os adolescentes passam mais tempo no telemóvel ou online e menos tempo em actividades presenciais com amigos, desporto e Igreja e menos tempo a dormir.

Há bisbilhotices desenfreadas, cyberbullying e um aumento no comportamento violento. Tragicamente, mais interconectividade digital resultou em mais solidão.

A comunicação humana evoluiu da comunicação oral para a escrita; para o electrónico no cinema e na TV; e agora para tecnologias interactivas. Cada desenvolvimento apresentou oportunidades e desafios para as famílias, sociedades e para a transmissão da fé.

Cada um deles teve impacto nos nossos cérebros.

 

As necessidades dos pais stressados ​​

Os pais não foram devidamente apoiados como verdadeiros “socorristas” na pandemia enquanto equilibravam a protecção dos jovens contra o vírus com a promoção de actividades comuns.

São pressionados a fornecer um lar seguro e nutrição adequada em tempos de recursos limitados, especialmente aqueles que se encontram em ambientes de baixa remuneração e alto risco.

Infelizmente, houve um aumento no abuso físico e emocional infantil durante a pandemia devido ao confinamento com adultos abusivos ou consumidores de álcool e drogas.

 

A necessidade de educar para a fraternidade e cidadania global

Os pais também formam os seus filhos como agentes morais.

Alguns jovens demonstraram abnegação na pandemia, ajudando pessoas isoladas e vulneráveis ​​com refeições e outros apoios. Outros, frustrados com as restrições, voltaram-se para o egoísmo e a raiva.

O Dicastério do Vaticano para a Promoção do Desenvolvimento Humano Integral realizou um seminário em 2019 intitulado “O Bem Comum na Era Digital”, que reconheceu o desafio de hoje.

Reconhecemos o aumento da violência contra crianças e adolescentes na pandemia, mas só recentemente reconhecemos o aumento da actividade violenta por parte deles.

Relatos de violência vão desde tiroteios em massa em escolas e locais de oração, desrespeito ao distanciamento social em festas e aumento de acidentes de carro até à violência final do suicídio.

Alguns pais fazem uma supervisão rigorosa de smartphones, TV e computadores. No entanto, como o livro de Neil Postman de 1993, Technopoly: the Surrender of Culture to Technology, demonstrou vividamente, a tecnologia domina e supera as nossas culturas sociais e religiosas.

 

Desafios para transmitir a fé

Existem desafios sem precedentes para a fé hoje. A tecnologia supera a transcendência no nosso mundo pós-cristianismo. Quase metade dos millennials e da geração Z hoje não têm filiação religiosa.

Muitos foram criados por pais que abandonaram as religiões. Outros deixaram intencionalmente a Igreja por causa de questões de abuso, igualdade e inclusão.

No nosso mundo digital, os jovens estão constantemente expostos a histórias concorrentes e contraditórias de Deus, o sentido da vida, o certo e o bom, apesar da disponibilidade de bons recursos catequéticos.

As histórias revelam e transmitem as nossas crenças e valores. Falam de respostas corajosas e cheias de fé, bem como experiências profundas e esmagadoramente sombrias e assustadoras.

Acreditamos que os Evangelhos contam “a maior história já contada”, pois revelam a profundidade do amor de Deus por nós em Jesus através do Seu ensino, cura e sofrimento, morte e ressurreição.

O próprio Jesus usava histórias quando ensinava em parábolas que são retiradas da vida comum, como plantar sementes, perder dinheiro ou criar um filho rebelde.

Estas histórias e a participação silenciosa na missa exigem reflexão em oração, o que é difícil para os jovens habituados a jogos interactivos em ritmo acelerado sob o seu controlo.

Investigações de neuroimagem cada vez mais sofisticadas encontraram ligações entre o jogo e a agressão por adolescentes e jovens adultos.

Os primeiros jogos de computador eram caricaturais e inocentes, mas muitos hoje são humanóides e cada vez mais violentos e gráficos. Os riscos de violência estão relacionados a factores psicológicos e biológicos pessoais, incluindo o género, mas todos os jogos proporcionam estimulação física e psicológica.

Enfrentamos um desafio crucial para a antropologia cristã, a vulnerabilidade humana e o sofrimento dos avanços incrivelmente rápidos da Inteligência Artificial (IA) abordados pelo Simpósio do Pontifício Conselho para a Cultura de Outubro de 2021.

A fronteira entre a vida desenvolvida pelo carbono e a projectada pelo silicone está a ser apagada. Os cyborgs dos jogos estão a tornar-se reais.

Embora a Igreja tenha identificado alguns desses desafios, ela está – como sempre esteve – muito atrás do avanço tecnológico. Há implicações para todos, mas especialmente para os jovens num futuro pós-cristianismo, até mesmo pós-humano.

A tecnologia não pode triunfar sobre a transcendência e um Deus amoroso.

 

Artigo da Irmã da Caridade Nuala Kenny, publicado no La Croix International a 19 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Pandemia  •  Crianças  •  Covid-19  • 
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui