Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 20 Mai 2022
Arcebispo católico nigeriano fornece pistas para relações inter-religiosas
Líder espiritual católico na capital da Nigéria, Abuja, pede aos crentes de várias religiões que evitem a violência, procurem o respeito mútuo e abracem a fraternidade e a solidariedade.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © DR

O arcebispo Ignatius Kaigama de Abuja defendeu a melhoria das relações inter-religiosas no país através do diálogo cultural, ecuménico e religioso.

“Não pode haver uma boa gestão da diversidade sem o conhecimento um do outro, e não pode haver conhecimento um do outro sem estarmos juntos. A mesa do diálogo é onde a paz é partilhada. Dá oportunidade para as pessoas exporem as suas queixas e explicarem os equívocos sobre os outros- Se isso for feito com sinceridade, a nossa diversidade não se transformará em crises ou conflitos”, disse o arcebispo Kaigama.

As declarações foram feitas durante um discurso de abertura na Conferência Nacional Maiden sobre diálogo inter-religioso, realizada na Veritas University, Abuja, Universidade Católica da Nigéria, a 12 de Maio.

A conferência contou com a presença do vice-chanceler, o padre Hyacinth Ichoku, da equipa de gestão da Universidade Veritas, do organizador da conferência, o padre Michael Udoekpo, outros palestrantes convidados de diferentes tradições religiosas, académicos, religiosos, governantes tradicionais, estudantes universitários e pessoas dos média.

Durante a conferência que teve como tema “Repensando o diálogo inter-religioso, ecuménico, cultural e religioso numa Nigéria pluralista”, o arcebispo sublinhou que o diálogo é um catalisador para a resolução de conflitos e a paz.

Observou que grandes conquistas em ciência e tecnologia que geraram uma vizinhança global, fazendo com que pessoas de diferentes partes do mundo se relacionassem umas com as outras através de comunicações visuais e digitais, levaram o mundo além de “uma aldeia global” para “tornar o bairro uma irmandade”.

O arcebispo Kaigama destacou o propósito do encontro como uma oportunidade para “deliberar sobre a promoção da fraternidade entre os diferentes povos que compõem a sociedade”, encontrando “uma forma de criar uma fraternidade a partir da diversidade para uma coexistência harmoniosa e pacífica”.

Acrescentou que estavam “representados por oradores de diferentes tradições religiosas” e que a conferência foi realizada na Universidade Veritas, cuja principal missão inclui “diálogo e colaboração nas relações humanas em vários níveis e entre várias culturas e religiões (Ex corde Ecclesiae, 31-37).”

 

Necessidade de abraçar a fraternidade e a solidariedade

Aprendendo com a encíclica Fratelli tutti do Papa Francisco, o Arcebispo disse que a Conferência Episcopal Católica da Nigéria (CBCN) e os Bispos das Conferências Episcopais Regionais da África Ocidental (RECOWA) recentemente ecoaram a necessidade de abraçar a fraternidade e solidariedade em todo o continente africano.

“Não basta coabitar, coexistir ou tolerar-nos uns aos outros. Devemos aprender a amar genuinamente, perdoar com todo o coração e abraçar calorosamente, considerando os interesses dos outros superiores aos nossos”, disse o Arcebispo de Abuja, citando a Carta de Paulo aos Filipenses.

Traçou as raízes teológicas da fraternidade humana para a história da criação de Adão e Eva na Bíblia e no Al-Corão para sublinhar que somos todos o mesmo, o que implica que devemos ver-nos “como irmãs e irmãos”.

O Arcebispo Kaigama defendeu que “as diferenças acidentais que existem entre nós devido à cultura, habitat, religião, etc., não deveriam ser fortes o suficiente para anular a semelhança natural” entre uns e outros.

Relembrou como em Abril de 1986 João Paulo II se tornou o primeiro Papa a visitar a Sinagoga Judaica em Roma e presidiu a uma oração inter-religiosa pela paz em Assis a 26 de Outubro do mesmo ano, o que o tornou “um amigo de todos, judeus, não-judeus e muitos não-católicos”, bem como “um modelo de liderança moral no contexto mundial pluralista na busca de uma aldeia global mais pacífica e harmoniosa”.

O arcebispo Kaigama também elogiou o Papa Francisco e o Sheikh Ahmed Al Tayeb por assinarem em conjunto “Documento sobre Fraternidade Humana em prol da Paz Mundial e da Convivência Comum” a 4 de Fevereiro de 2019 em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.

“Temos mais em comum do que aquilo em que diferimos. A Igreja Católica ensina que: «Não podemos orar verdadeiramente a Deus, o Pai de todos, se tratamos qualquer pessoa de outra forma que não fraternal, pois todos os homens são criados à imagem de Deus» (Nostra Aetate no. 5)”, afirmou.

O arcebispo Kaigama, que foi ex-presidente da CBCN e da RECOWA, disse que a Nigéria estará no caminho da grandeza se os crentes de várias religiões evitarem a violência e resolverem procurar o respeito mútuo uns pelos outros.

 

Artigo de Justine John Dyikuk, publicado no La Croix International a 19 de Maio de 2022.

 

 

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui