Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com The Tablet | 20 Mai 2022
Sínodo não pode ignorar questões difíceis, diz o Cardeal Grech
O cardeal Grech não está preocupado com o sínodo alemão e pediu espaço para partilhar “alegrias e medos”.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © CNS/Paul Haring

O cardeal encarregado pelo Papa Francisco de supervisionar o sínodo global da Igreja diz que não está preocupado com o processo de reforma alemão, sublinhando que o Sínodo não pode ignorar questões difíceis.

O cardeal Mario Grech disse que as críticas à Alemanha são parte integrante do que significa ser uma Igreja sinodal que oferece um fórum para expressar divergências.

“A sinodalidade oferece este espaço onde podemos partilhar os nossos medos e as nossas alegrias, as nossas certezas e as nossas dúvidas, os nossos sonhos. Obviamente, há sonhos que podem ser realizados, outros que não. Há sonhos que podem ser realizados amanhã, outros precisam de mais tempo. Mas, pessoalmente, nada me preocupa realmente na medida em que respeitemos os princípios fundamentais da Igreja Católica”, disse o prelado maltês ao podcast “The Church’s Radical Reform”.

“Os bispos têm o seu ministério nas igrejas locais, os bispos não são freelancers, mas fazem parte do colégio dos bispos e depois o colégio dos bispos está unido a Pedro”.

O caminho sinodal alemão (“Der Synodale Weg”), lançado como resposta aos escândalos de abuso sexual clerical, concentrou-se no uso do poder na Igreja, no ministério das mulheres e no ensino sexual católico.

Mas o caminho sinodal enfrentou fortes críticas em alguns sectores, incluindo de bispos de fora da Alemanha, que alertaram que isto irá levar a um cisma. Uma carta de 92 prelados disse que os alemães estavam errados em colocar tanto foco na questão do poder, dizendo que isto sugere “um espírito fundamentalmente em desacordo com a natureza real da vida cristã”. Os debates sobre a Alemanha mostram que o país se tornou cada vez mais uma batalha por procuração sobre o papado de Francisco.

O Cardeal Grech destacou que “nada deve ser varrido para debaixo do tapete” durante a discussão do Sínodo e que as pessoas devem ser livres para apresentar questões para o Vaticano considerar. Acrescentou que durante o sínodo “todo o material que chegar à Secretaria será submetido ao Santo Padre”.

Acrescentou que “ninguém está excluído” desde que “queiram ser discípulos de Jesus Cristo”.

O cardeal, que é secretário-geral da Secretaria do Sínodo dos Bispos em Roma, disse que a prioridade é uma “Igreja sinodal” que seja capaz de ouvir e discernir em conjunto.

“A menos que nos tornemos uma igreja sinodal, será mais difícil abordar teologicamente mais profundamente certas questões que as pessoas estão a levantar”, sublinhou.

Para esse fim, sugeriu que o sínodo global “Por uma Igreja Sinodal” provavelmente vá além de um encontro de bispos no Vaticano em Outubro de 2023.

“O sínodo não tem fim”, disse. “Não haverá fim, porque uma vez iniciado o processo, ele irá prosseguir, mesmo além de 23 de Outubro”.

O cardeal acrescentou que a alegação de que o processo sinodal é um projecto que será interrompido quando o pontificado de Francisco terminar “não tem futuro” e sugere que ainda não estão “convencidos de que a sinodalidade seja uma obrigação para a Igreja”.

Artigo publicado no The Tablet a 20 de Maio de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sínodo  •  Cardeal Grech  •  Papa Francisco  •  Discernimento  •  Debate  •  Sinodalidade
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui