Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
DACS com La Croix International | 23 Jun 2022
Bispos pedem ajuda humanitária enquanto Myanmar caminha para instabilidade prolongada
Prelados católicos dizem às autoridades do conselho militar que respeitem a vida humana e preservem lugares sagrados, pois as atrocidades são abundantes.
PARTILHAR IMPRIMIR
  ©  LYNN BO BO/EPA/MaxPPP

Os bispos católicos de Myanmar apelaram aos líderes militares do país para ajudarem os cidadãos com assistência humanitária básica, já que o Sudeste Asiático apresenta riscos de instabilidade prolongada.

“A dignidade humana e o direito à vida não podem ser negociáveis”, disse a Conferência Episcopal Católica de Myanmar em comunicado após a sua Assembleia Plenária de quatro dias, realizada na capital Yangon a 7 de Junho.

No comunicado, o cardeal Charles Maung Bo, de Yangon, presidente da Conferência dos bispos do país, pediu a todos para “respeitarem e valorizarem cada vida humana, respeitarem e preservarem lugares sagrados e edifícios religiosos, hospitais e escolas”.

De acordo com o ACNUR, a agência de direitos humanos da ONU, mais de 1.929 civis foram mortos, 11.000 presos e 800.000 deslocados internamente desde o golpe de Fevereiro de 2021 no país. Myanmar também tem 21 organizações étnicas armadas, e a maioria delas está em conflito com os militares.

 

Crimes contra a humanidade

Um relatório da ONU apontou em Março que os militares em Myanmar estão a cometer “violações sistemáticas dos direitos humanos, muitas delas crimes de guerra e crimes contra a humanidade”.

Milhares de civis estão a fugir do país com a violência a afectar principalmente pessoas inocentes, incluindo idosos, deficientes, crianças, mulheres e doentes, disseram os bispos das 16 dioceses do país em comunicado.

Os bispos pediram aos fiéis que prestem assistência humanitária aos refugiados, independentemente da sua fé e filiação política.

Em Maio, Myanmar registou 647 mortes relacionadas com o conflito, incluindo a morte de 34 civis, 581 forças de segurança e três militantes. Em Abril, 17 civis, 338 membros das forças de segurança, 11 militantes e 13 membros das forças de resistência morreram no meio da violência.

As mortes em Maio foram as mais elevadas desde que a junta militar chefiada pelo general sénior Min Aung Hliang liderou o governo eleito da líder da Liga Nacional para a Democracia, Aung San Suu Kyi, em Fevereiro de 2021.

Suu Kyi está actualmente em prisão domiciliar após ter sido condenada por um tribunal militar. Os Estados Unidos, o Canadá e o Reino Unido impuseram sanções aos líderes militares.

 

Ataques a igrejas

Os bispos disseram que a Igreja local decidiu estabelecer laços com as comunidades católicas de todo o mundo “prontas para ajudar a população civil que enfrenta imensas dificuldades devido ao actual conflito político e social de Myanmar”.

A 19 de Junho, o Papa Francisco exortou a comunidade internacional a agir para acabar com o sofrimento do povo de Myanmar causado pelo golpe. Em várias ocasiões, o Papa Francisco falou sobre a crise em Myanmar, que visitou em Novembro de 2017.

Pediu aos militares que evitem a violência, libertem pessoas detidas por se oporem ao golpe e iniciem negociações para procurar a paz e a reconciliação. Apesar dos apelos para acabar com a violência, a junta não mostrou sinais de aliviar a opressão nas regiões étnicas, principalmente nas regiões predominantemente cristãs e de maioria Bamar.

Igrejas católicas nos estados de Kayah e Chin foram destruídas por ataques aéreos e bombardeamentos de artilharia, forçando milhares a fugir para a vizinha Índia.

A 15 de Junho, a Igreja de São Mateus na Paróquia de Dognekhu da Diocese de Loikaw, no estado de Kayah, no leste de Myanmar, foi incendiada por tropas.

O pior ataque ocorreu na Igreja Católica do Sagrado Coração em Kanyantharyar, uma vila perto de Loikaw, a 23 de Maio, no qual quatro católicos morreram e outros oito ficaram feridos num bombardeamento.

Quase 16 paróquias das 38 da diocese de Loikaw foram abandonadas por padres e paroquianos após a intensificação dos combates.

O relator especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos em Myanmar disse a 13 de Junho que a junta matou dezenas de crianças que foram apanhadas no fogo cruzado do conflito.

“Recebi informações sobre crianças que foram espancadas, esfaqueadas, queimadas com cigarros, submetidas a execuções simuladas e tiveram as suas unhas e dentes arrancados durante longas sessões de interrogatório”, disse Tom Andrews.

É relatado que os militares mataram pelo menos 142 crianças nos últimos 16 meses, mais de 250.000 crianças foram desenraizadas e mais de 1.400 foram detidas arbitrariamente.

A ONU estima que mais de 7,8 milhões de crianças estão fora da escola como resultado da violência no país, que também resultou no colapso do sistema público de saúde.

A líder dos Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, também pediu à junta militar que coopere para avaliar crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

“O que estamos a testemunhar hoje é o uso sistemático e generalizado de tácticas contra civis, em relação aos quais há motivos razoáveis ​​para acreditar na prática de crimes contra a humanidade e crimes de guerra”, disse Bachelet ao Conselho de Direitos Humanos a 14 de Junho.

Artigo do La Croix International, publicado a 22 de Junho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Myanmar  •  Conflito  •  Papa Francisco  •  Paz  •  Golpe de Estado  •  Direitos Humanos
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui