Arquidiocese

Ano Pastoral 2021+2022

"Onde há amor, nascem gestos"

[+info]

Desejo subscrever a newsletter de Revista de Imprensa Internacional
dacs com la croix international | 26 Jul 2022
Cristãos no Sudão estão novamente a enfrentar perseguição
O governo de transição do Sudão estava comprometido com a liberdade religiosa, mas um golpe de Estado em Outubro passado marcou o regresso do discurso de ódio e assédio à pequena minoria Cristã.
PARTILHAR IMPRIMIR
  © MOHAMMED HEMMEAIDA/AFP

Houve um vento, ou pelo menos uma brisa, de liberdade nos últimos dois anos na República do Sudão.

A minoria cristã (estimada em menos de 3% da população) nesta nação do norte da África começou a ver alguma igualdade em relação aos seus concidadãos muçulmanos.

O governo de transição, que sucedeu a trinta anos de ditadura militar-islâmica, aboliu a pena de morte por apostasia e teoricamente permitiu que os Cristãos bebessem bebidas alcoólicas.

 

Cristãos convertidos na linha de fogo

Chegou mesmo a ratificar uma “declaração de princípios” para se comprometer a tornar-se um Estado laico.

Mas esse tímido progresso parou quando o exército recuperou o poder a 25 de Outubro de 2021 durante um golpe militar.

Desde então, os cristãos voltaram a ser alvos dos islamistas do antigo regime, que regressaram em massa aos seus postos.

Em particular, os fundamentalistas têm como alvo os cristãos convertidos.

É o caso de Hamouda Tia Kafi e Nada Hamad. Estes dois muçulmanos do estado de Al-Jazirah, no centro-leste, casaram em 2016, antes de se converterem em 2018 e 2021, respectivamente.

Em Novembro, foi aberta uma investigação criminal contra eles. O casal é acusado de adultério porque um divórcio não consensual foi concedido por um tribunal da Sharia antes da revolução de Dezembro de 2018.

De acordo com a lei penal de 1991, este acto é punível com um mínimo de 100 chibatadas e, na pior das hipóteses, morte por apedrejamento. Estas penalidades permaneceram em vigor durante a transição democrática.

Elshareef Ali Mohammed, advogado da ONG sudanesa Human Rights Initiative, que acompanha o caso, acredita que a sentença só poderia ter sido proferida por um juiz nostálgico pela ditadura.

 

Influência dos Islâmicos

“Desde o golpe, todos os ex-procuradores e juízes voltaram”, diz.

“Os próprios militares não ordenam a condenação dos cristãos. Mas como os Islâmicos são os seus únicos aliados, fecham os olhos para preservar os seus interesses e permanecer no poder”, observa o advogado, que actualmente está a escrever uma tese sobre liberdade religiosa no Sudão.

Enquanto isso, Kafi e Hamad esperam ganhar o seu recurso, que foi adiado para 18 de Agosto.

Em Zalingei, capital do centro de Darfur, Badur Haroun, 24, e os seus três colegas, Muhammed Haroun, 22, Tariq Abdallah, 23, e Murtada Youseph, 20, vivem com medo.

“Tudo começou em Fevereiro”, diz Haroun. “Uma noite, por volta da meia-noite, um grupo armado atacou a nossa igreja gritando Allah akbar. Arrombaram as portas do nosso dormitório e dispararam, sem nos ferirem. Fugiram quando o meu irmão brandiu uma arma”, revela.

 

Discurso de ódio em algumas mesquitas

Homens armados regressaram a 22 de Junho, desta vez para prender esses cristãos convertidos que estão a estudar para se tornarem pastores. Passaram cinco dias atrás das grades, acusados ​​de apostasia.

“Dois funcionários do departamento de investigação perguntaram quanto dinheiro recebemos para nos tornarmos cristãos. Respondemos que (o facto de) acreditarmos em Jesus Cristo e Ele perdoar os nossos pecados é o suficiente para nós”, diz Haroun.

“Os guardas da prisão então ameaçaram matar-nos, insultaram-nos, amaldiçoaram-nos, bateram-nos e raparam as nossas cabeças”, continua.

Libertados sob fiança, estes sobreviventes já não se atrevem a deixar as casas dos seus pais.

Passando por El-Fasher, capital do norte de Darfur, um ministro baptista ouviu recentemente um imã a exortar os seus seguidores a lutar contra as conversões.

“O regresso deste discurso de ódio coloca os cristãos numa situação terrível”, alerta, falando sob a condição de anonimato.

Ele e um colega baptista foram levados pela polícia a 14 de Junho para um interrogatório. Os vizinhos reclamaram do barulho, mas o pastor explica que não têm “nem instrumentos musicais, nem electricidade”.

“Só fazemos estudos bíblicos neste prédio”, afirma.

Os dois homens foram libertados após quatro horas.

Diante do aumento destas prisões arbitrárias por motivos espúrios, a teóloga evangélica Aida Weran afirma: “Voltamos a um sistema de opressão dos cristãos com restrições à abertura de igrejas e ao ensino do catecismo às crianças, enquanto os muçulmanos começaram a estigmatizar-nos novamente”.

Artigo de Augustine Passilly, publicado no La Croix International a 22 de Julho de 2022.

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
Sudão  •  Cristãos  •  Perseguição  •  Islamismo  • 
Revista de Imprensa Internacional
Contactos
Morada

Rua de S. Domingos, 94 B 4710-435 Braga

TEL

253203180

FAX

253203190

Quer dar uma ideia à Arquidiocese de Braga com o objectivo de melhorar a sua comunidade?

Clique Aqui

Quer dar uma sugestão, reportar um erro ou contribuir para a melhoria deste site?

Clique Aqui