Arquidiocese

Semeadores de Esperança:
I Tema
(+info)

Desejo subscrever a newsletter da Arquidiocese de Braga
DACS | 30 Nov 2017
D. Francisco Senra Coelho: "Portugal não é um povo órfão, tem Mãe"
Entrevista com D. Francisco Senra Coelho, Bispo Auxiliar de Braga, a propósito do seu novo livro editado pela Paulus, "Nossa Senhora e a História de Portugal - Alianças com Santa Maria".
PARTILHAR IMPRIMIR
 

Onde e quando vai ser a apresentação desta nova obra?

O livro vai ser apresentado no dia 8 de Dezembro, pelas 17h30, na Cripta do Sameiro, depois da eucaristia das 16h30, pelo Cónego José Paulo Abreu na sua qualidade de Professor de História da Igreja, uma vez que o tema passa exactamente por essa área. 

 

Sabemos que é um livro interessante na forma como foi escrito, diferente. Porquê?

É um livro interessante na medida em que é elaborado a partir da experiência e diálogo com as pessoas. Em vez de ser concebido e acontecer esse livro a partir do próprio autor, surge das necessidades das pessoas com quem o autor trabalhou. Muitas vezes as comunidades me foram pedindo para falar de Nossa Senhora. Como professor de História muitos anos em Évora, e agora também a contribuir como Professor de História da Igreja Medieval e Moderna, na Faculdade de Teologia, Polo de Braga, na Universidade Católica Portuguesa, o tema ia ter sempre à minha especialização, Nossa Senhora e a História. Em várias localidades do Sul e daqui do Norte esse tema foi aparecendo e eu percebi que, de facto, na génese e no ADN cristão há uma grande relação com Maria no contexto da Igreja portuguesa, muito especialmente logo no início da nacionalidade.

“A Igreja não é composta apenas pelo clero, é um povo de Deus, todos os baptizados.”


Foi sendo escrito ao longo do tempo, não é um livro “de secretária”...

Este percurso que fui fazendo em muitas localidades — Évora, Vila Viçosa, Coruche, Braga, Barcelos, Fafe e outras — e em artigos que escrevi — por exemplo para o “Diário do Minho”, ou reproduzidos no semanal “A Defesa”, na “Família Cristã”... acabou por se tornar um livro. Não foi escrito num laboratório de mariologia e de história da Igreja, mas foi escrito com o povo com quem eu ia falando. E fui juntando conferências, algumas feitas monograficamente, como a de Nossa Senhora e a Nacionalidade de Portugal, ou a importância de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa. Não digo que seja uma manta de retalhos, mas gostava de sublinhar que é um conjunto de vivências compartilhadas.

D. Francisco Senra Coelho, Bispo Auxiliar de Braga


E essas vivências apresentam alguma coisa nova?

Podia dizer que não traz nada de novo, mas o livro recorda aquilo que é sempre novo, a origem da nossa independência e da nossa liberdade como povo e, ao mesmo tempo, a beleza de Nossa Senhora que, na sua maternidade, no seu colo, no seu coração, na sua ternura, no seu carinho vem dizer a Portugal que além de pátria, é “mátria”. Não tem novidades científicas, fruto de novos documentos encontrados, mas tem um novo olhar interpretativo, que nos pode ajudar a reanimar a Esperança que a contínua presença de Maria na nossa História traz ao nosso presente: não estamos sós. Temos Mãe!. Lembra sempre esta dimensão humanista e este sentido de maternidade para com todos os que se abrigam, todos os que batem à porta, todos os que precisam de acolhimento. Penso que essa dimensão está muito presente na génese e história de Portugal. O país tem uma dimensão muito afectiva que se encontra nas paredes de todo o património monumental, artístico, imaterial: a ternura. Portugal é um povo de ternura e a sua própria expressão artística faz ressaltar esta valorização, incluindo a música, as diversas expressões da beleza... O livro é um divulgar deste caminho, destas alianças, deste Portugal de Nossa Senhora, fazendo sublinhar a última, ainda no rescaldo do Centenário de Fátima.

 

Considera haver uma lacuna em literatura deste género, isto é, a partir das vivências do povo?

Penso que sim. O Papa Francisco tem-nos lembrado que um povo sem memória, no fundo um povo sem história, é como que um povo que vive uma situação de Alzheimer, que perde a sua identidade, não se conhece. Não há árvores sem raízes, uma árvore sem raízes é uma árvore seca. Muitas vezes quando vemos folhas secas ou murchas, com ausência de flor e de fruto, não resolvemos o problema substituindo-as por frutos de plástico ou folhas de papel: temos é de cuidar das raízes. E o húmus de Portugal é cristão. E muitíssimo mariano!

“A consciência de que Nossa Senhora é Mãe, é ternura, é colo, é acolhimento, é tão vincada que se torna espontânea e óbvia em muitas pessoas que depois, porventura, até nem estão na eucaristia.”


Então estamos perante um regresso ao passado onde o povo é protagonista.

Sim, realmente é ir às raízes... E esta viagem não pode ser feita de maneira laboratorial, ou seja, ideológica. Tem de ser um trabalho de campo e esse trabalho de campo é conhecer o povo. Todo o caminho deste livro, sem prescindir das elites da monarquia portuguesa, assenta num povo que se exprimiu e que se manifestou e reviu nas consagrações, nos monumentos feitos em louvor de Nossa Senhora pelas elites, mas que exprimiam o coração de um povo. Foi mesmo ir às raízes com o povo! É um trabalho de campo e não podemos prescindir nunca desta fidelidade, porque a Igreja não é composta apenas pelo clero, é um povo de Deus, todos os baptizados.

 

Podemos dizer que é um povo de Nossa Senhora?

Claro! A religiosidade popular, a dimensão profunda dos “ex-votos”, a expressão da confiança que um povo põe nos seus momentos difíceis em Nossa Senhora são uma manifestação genuína daquilo que ele é, daquilo que sente. E foi por aí que eu procurei andar um pouco, no fundo também em complementaridade a um outro livro que publiquei há uns anos sobre a religiosidade popular, uma recolha de orações tradicionais portuguesas. Como é que o povo português reza? O povo mais simples, o povo das nossas feiras, o povo das nossas romarias? Estamos a falar nas orações tradicionais, já com séculos! Vamos encontrar também aí um terreno fértil onde Nossa Senhora tem um papel singular. No fundo é um povo que se reviu nas frases de Francisco na sua visita a Fátima como peregrino: “temos Mãe, temos Mãe!”. Portugal entende bem isso e sabe disso: que temos mãe. Portugal não é um povo órfão e o grande desafio é que consiga transmitir na complexidade e nos desafios do século XXI esta maternidade, de um acolhimento e de uma crescente humanização das suas estruturas, dos seus atendimentos, dos seus serviços. É necessário que a humanização esteja bem presente em todas as preocupações e opções que temos de fazer todos os dias para construir esta nação moderna.

 

Nossa Senhora do Sameiro | Fotografia: Avelino Lima 


A devoção popular é muita, mas as pessoas entendem verdadeiramente como surgiu essa devoção? Ou ainda é necessário esclarecê-las?

Sem dúvida nenhuma que é necessário relembrar e, em alguns casos, informar. Quando Nossa Senhora aparece no meio do povo, na sua imagem, no seu andor, temos o fenómeno que vimos agora com a visita de Nossa Senhora de Fátima a todas as dioceses de Portugal e às casas religiosas, aos mosteiros contemplativos. É impressionante o acolhimento e as multidões que se juntam! Temos aqui no Minho uma expressão tão feliz nas nossas peregrinações onde, quando Nossa Senhora surge, vemos multidões que a seguem!... Este fenómeno das peregrinações do Minho é um campo que está ainda, provavelmente, por aproveitar a nível pastoral e missionário como ponto de partida, uma vez que congrega as pessoas e as  disponibiliza para uma mensagem. Agora, saber o porquê disso... É preciso escavar o húmus para entender o que está por baixo desta terra para que essa expressão aconteça. Entender as sementes que estão na terra e a capacidade que há para as fazer florir. Cada semente torna-se depois uma espiga e faz uma seara na multidão. E é preciso nós explicarmos para que as pessoas entendam porque é que são assim. É o ADN português e muitas pessoas têm essa expressão espontânea com Nossa Senhora, cujo Dia da Mãe durante muitos anos foi a 8 de Dezembro, mesmo sem serem praticantes “quotidianamente” nas suas paróquias. Mas a consciência de que Nossa Senhora é Mãe, é ternura, é colo, é acolhimento, é tão vincada que se torna espontânea e óbvia em muitas pessoas que depois, porventura, até nem estão na eucaristia. Ainda assim, na sua identidade está a fé cristã e de uma maneira muito próxima encontram-se com ela através de Nossa Senhora. 

“Portugal não é um povo órfão e o grande desafio é que consiga transmitir na complexidade e nos desafios do século XXI esta maternidade, de um acolhimento e de uma crescente humanização das suas estruturas, dos seus atendimentos, dos seus serviços.” 



Ouça ainda... um pequeno resumo elaborado por D. Francisco Senra Coelho sobre as Alianças com Santa Maria

PARTILHAR IMPRIMIR
Palavras-Chave:
D. Francisco Senra Coelho  •  Arquidiocese  •  Bispo Auxiliar  •  Livro  •  Nossa Senhora  •  História  •  Memória  •  Portugal  •  Cristianismo
Departamento de Comunicação
Contactos
Director

P. Paulo Alexandre Terroso Silva

Morada

Rua de S. Domingos, 94 B
4710-435 BRAGA

TEL

253 203 180

FAX

253 203 190